Editor's Rating

A rica experiência visual de Viva é acompanhada por uma narrativa pensativa que leva à uma abordagem familiar e profunda sobre as questões de cultura, família, vida e morte. Apesar da quantidade de clichês e a típica receita de bolo Disney e Pixar, vale a pena conferir o filme nas telonas.

8.5
10

Viva: A vida é uma festa traz a “receita de bolo” típica do estúdio com uma importante lição de moral, um companheiro animal estranho, um romance  e pelo menos uma cena de perseguição. Mas o filme inova com uma paleta de cores vibrantes em um cenário que traz “vida no que está morto” sob tons melancólicos que tornam o filme envolvente . O filme é um “resgate” da Disney e Pixar de uma linhagem de filmes que envolvem uma perda tais como ocorre em Rei Leão e Up: Altas Aventuras adicionando rica uma textura emocional  ensinando à uma audiência mais jovem sobre a morte sem usar tons tão pesado e de terror.

Em Viva: a vida é uma festa, a mais recente colaboração dos estúdios Disney com a Pixar, os mortos nunca estiveram tão presentes, literalmente. O enredo gira em torno de Miguel, um menino mexicano que aspira a ser músico – ainda que em sua família, todas as formas de música são banidas. O motivo desse mandato extremo remonta a sua bisavó, que foi abandonada por seu marido cantor e compositor para que ele pudesse seguir seus sonhos e, em seguida, gerar um ódio à música nas gerações seguintes. Quando o Dia dos Mortos anualmente acontece, Miguel se rebela daqueles ao seu redor e, inesperadamente, encontra-se preso do outro lado, um mundo emocionante e perigoso habitado por aqueles que se cruzaram após a morte. Ele deve tentar encontrar seu caminho de volta aos vivos, ao mesmo tempo que prova seus talentos musicais.

 

 

A Terra dos Mortos é um dos mundos mais visivelmente ambiciosos da Pixar que traz ainda uma visão de tirar o fôlego dos bairros interligados de néon iluminado, baseado vagamente em Guanajuato, no centro do México (imagens acima). Seus habitantes são capazes de atravessar o mundo dos vivos se, no Dia dos Mortos, alguém lhes preste tributo com uma fotografia, enquanto a sua existência do outro lado colapsa uma vez que toda memória deles se desvanece no mundo real . Uma vez que a explicação um pouco exaustiva está fora do caminho, essas regras permitem uma influência emocionante sobre o impacto que temos sobre aqueles que nos rodeiam uma vez que passamos, com base em como escolhemos passar nossas vidas. Miguel está dividido entre um amor por sua família e um amor pela música, o primeiro preocupando-se que o último os separe.

Filme aborda perguntas existenciais profundas que são entregues em um pacote de cores vivas e, o mais importante, música. As canções originais trazem letras doçadas de tristeza e melancolia sobre a vida e a perda.

A fronteira entre os vivos e os mortos, que funciona de forma semelhante a um departamento de alfândega, também traz comparações inevitáveis ​​no mundo real. As tentativas de Trump de difamar e deportar imigrantes mexicanos lançaram uma sombra fora da tela sobre essas cenas, mas Viva está focado menos em políticas específicas e sim em algo mais amplo.  Viva é a mais recente aposta do estúdio para trazer algo com mais diversidade ao seu catálogo e usar um elenco exclusivamente latino incluindo Gael García Bernal e Benjamin Bratt (na versão original em inglês).

Embora exista uma tendência típica da Pixar de elementos de argumentos previsíveis, o script gerencia uma reviravolta genuinamente surpreendente no terceiro ato. Viva: a vida é uma festa é um retorno estimulante, afetuoso, divertido e muito necessário para se formar depois de tentativas insatisfatória encontradas nas sequências de Nemo e Carros e ajudará a garantir que o legado da Pixar permaneça intacto.