Alguma vez você já precisou de ajuda e não havia para quem correr? Alguma vez você já ajudou alguém que não tinha para quem correr? Às vezes, as pessoas não demonstram, mas tudo de que elas precisam é alguém em quem elas possam confiar, alguém para quem ela possa contar seus segredos e, principalmente, as coisas que lhe perturbam.

Agora pense em um copo com água, suco, vinho (o que você preferir) até a metade. O copo está meio cheio ou meio vazio? Isso pode dizer muito sobre você, por isso, nesse post, iremos conversar sobre pessoas que veem o copo meio vazio. E talvez você conheça alguém que se pareça com elas.

 

As Vantagens de Ser Invisível

Na história de Stephen Chbosky, temos o garoto Charlie e a difícil mudança para o Ensino Médio. Ele escreve para alguém que não conhecemos, contando sua vida, suas aventuras e, de uma forma menos clara, suas angústias. Uma espécie de depressão, talvez? Não sei, mas Charlie sofre com algo que lhe aconteceu no passado, algo que somente ele pode vencer. E talvez seus novos amigos possam ajudar com isso.

 

Cartas de Amor aos Mortos

Laurel perdera a irmã pouco antes de entrar para o colégio e sente como se uma parte sua tivesse ido com ela. May era muito mais do que uma irmã para Laurel, era sua fonte de inspiração, era alguém que ela gostaria de ser quando crescesse. Através de cartas endereçadas aos ídolos da irmã, a garota nos conta como está sendo difícil sobreviver a tudo sozinha. Fazer amigos, conviver com um amor e entender que May não era perfeita não é uma coisa fácil, mas aos poucos Laurel irá aprender que não há nada melhor do que ser ela mesma.

 

A Playlist de Hayden

O melhor amigo de Sam morreu. Ele não consegue entender o motivo, mas sabe que tem algo a ver com a playlist que Hayden lhe deixou. Ao caminhar atrás de pistas sobre o motivo da morte do melhor amigo, ele passa a conhecer mais de alguém que ele achava conhecer totalmente. Hayden precisava de ajuda.

 

Os 13 Porquês

Hannah Baker está morta e isso não é segredo para ninguém, muito pelo contrário. Outros foram culpados de seu suicídio. Clay Jensen, embora não saiba, é um dos que estavam no banco dos réus de Hannah. Treze fitas, cada uma endereçada para uma pessoa diferente, contam os motivos que fizeram Hannah desistir de sua vida. Por que Clay é um motivo? Ele precisa ouvir para descobrir.

Quem é Você, Alasca?

Miles Halter é um viciado em últimas palavras e sua vida muda completamente quando ele parte para estudar longe de casa. Ele faz amigos e um primeiro amor. Quem precisa de ajuda, no entanto, não é o garoto, e sim, a garota. Alasca é linda, inteligente, uma verdadeira musa para ele. Mas há algo a mais ali, algo que a faz sofrer. Algo que a faz precisar de ajuda.

tumblr_lwyroqifeX1qmbjk7o1_500

(c) tumblr

Depois de se apaixonar por Cartas de Amor aos Mortos e se interessar cada vez mais por livros desse gênero, você começa a pensar se não é culpa nossa isso acontecer. Andamos esquecidos, preocupados e tão “na nossa” que esquecemos do que é realmente importante: viver. Estar ali não é viver ali, mas muitos se esquecem disso.

Ás vezes, acontecem coisas, como é o caso de Charlie, Laurel e Alasca,  que nos mudam completamente. Com certeza você já caiu brincando na rua, ou até mesmo em casa, e se machucou. Isso deixou uma marca em você, e algumas marcas não somem tão fácil. Com Hannah e Hayden, tudo parece mais complicado. Eles sentem como se não houvesse solução para o problema deles, como se o mundo estivesse contra sua existência aqui. Mas isso não é verdade. Seja qual for o seu problema, existe uma solução para ele e, em algum lugar, existe alguém que pode te ajudar.

Isso não é frescura. Depressão não é frescura. Sofrimento não é frescura. Talvez as palavras mágicas não apareçam nos textos mas, nas entrelinhas, você pode perceber que o sentimento é o mesmo. Perder alguém não é como perder uma borracha, é algo que dói, machuca e, muitas vezes, destrói famílias.

E se você não se identifica com o Charlie e o Hayden ou com a Alasca, Laurel e a Hannah, talvez se identifique com aqueles que ficam. Se pararmos para pensar, há muitas pessoas ao nosso redor que precisam de ajuda. Basta você estar disposto a ajudar.