Nesta segunda-feira pudemos acompanhar os 2 primeiros episódios da nova produção da Netflix, “Star Trek Discovery”.

 

Após um hiato de 12 anos sem nenhuma nova série da franquia, a produção do serviço de streaming vem no formato de episódios semanais contar a história da USS Shenzou, comandada pela capitã Georgiou (Michelle Yeoh), tendo como sua auxiliar a comandante Michael Burnham (Sonequa Martin-Green), personagem principal da série e a primeira humana a ser educada segundo os princípios e ideais dos vulcanos.  

 

Os  2 primeiros episódios se aprofundam na história da comandante Michael, que por ser a primeira humana a ter uma criação baseada nos ensinamentos da raça Vulcana, apresenta diversos conflitos internos, uma vez que, ao contrário da raça alienígena, não é desprovida de emoções e não toma decisões baseadas apenas em soluções lógicas.

 

A série deve abordar o conflito já existente entre a federação e os Klingons, que estavam vivendo a beira dos limites da fronteira espacial a algum tempo, bem como a influência que a educação vulcana exerceu sobre a comandante Michael, uma vez sua família foi dizimada em um ataque Klingon à um posto avançado da federação.

 

O mentor vulcano da comandante e responsável por sua educação é Sarek (James Frain), pai de Spock, que assim como seu filho e o capitão Kirk na série clássica, parece possuir um elo mental muito forte com a personagem a auxiliando em momentos de dificuldade.

 

A produção da série caprichou nas imagens geradas por computador, ficando o destaque para o visual do oficial Saru, alienígena vivido por Doug Jones.

 

Os episódios da série serão lançados sempre às segundas no serviço de streaming, e a primeira temporada tem a previsão de 15 capítulos. 

 

PS: Para os trekkers mais fervorosos, a série possui a opção de legendas em Klingon  ¯\_(ツ)_/¯